terça-feira, junho 03, 2008

as gajas

As gajas trazem-te à terra. Enchem-te de luz a primeira esperada noite e deixam-te a alma cheia e um sorriso irresistente nos lábios. Claro que não há como um gajo bem gingão no saborear de uma boa kizomba, mas as gajas... as gajas é que iluminam o percurso, as vielas, os recantos saudosos.

Há muito tempo que uma noite de copos não me sabia tão bem. Estou em casa. Tudo é meu. E tudo é novo.

Bendita sois vós entre as mulheres... ámen.

13 comentários:

MPR disse...

Não consigo deixar de pensar a enorme diferença de interpretação que este post teria se fosse escrito por um homem.

luci disse...

AH! Mulher! Estou cá a sentir que o Blue! é primeiro blog que realmente me faz sentido espreitar. Tal como o "bâââuuuu", surge-me "deixa-me cá ir espreitar o Blue!!

É verdade! Devolvemo-nos umas às outras a terra que é nossa e somos abelhas e vento a levar sementes de um lado para o outro e a fazer aparecer novas flores inesperadas em terreno alheio! É bom! Estamos lá! Venham todos! Bjoca

Manel disse...

Compreendo-te, MPR. Mas será que há muitos homens que escrevessem um post destes? Os gajos enchem-te de luz a noite, põem-te um sorriso nos lábios...? hmmmmm, não estou a ver... o male bonding tem outras curvas e contra-curvas, parece-me.


Luci, baby, um baaaaaauuuuuu do fundo do coração, para ti... e pólen, muito pólen, não daquele que faz espirrar, mas do que faz nascer e florescer. ;)

MPR disse...

LOL! Não era nesse sentido. Era textualmente. Escrever "as gajas" tal e qual tu escreveste. De repente não haveria ninguém que não pensasse em sexo, pior, não haveria ninguém que não pensasse em sexismo e se sentisse profundamente ofendida. Mesmo que a intenção fosse exactamente igual à tua.
Era mais por aí...

Manel disse...

Pois... isso lança-me uma outra questão. Esta nossa conversa parte do princípio de que não sou lésbica. Porque mesmo escrito por mim, que sou uma gaja, poderia ser interpretado e objectivado sexualmente, ou não? Já sexistamente, seria mais difícil, à primeira vista. Mas.. a verdade é que são as mulheres muitas vezes que carburam o sexismo, às vezes basta o silêncio para fazê-lo.

MPR disse...

"Claro que não há como um gajo bem gingão no saborear de uma boa kizomba..."
Esta frase indicia que a autora do texto não é lésbica, mas sim, o texto poderia ser interpretado sexualmente. Não poderia era ser interpretado com o tom depreciativo para as mulheres como se tivesse sido escrito por mim por exemplo. O texto quer elogiar a companhia feminina, mas sendo um homem a escrever seria visto de outra forma. Aliás, curiosamente, os elogios de uma forma geral são passiveis de interpretações bem diferentes conforme o sexo de quem o faz. Eu elogiar uma blusa decotada de uma mulher seria visto como assédio. Se fosses tu seria apenas simpático, mesmo que a intenção fosse idêntica.

Manel disse...

Pooois... uma lésbica não pode preferir dançar uma kizomba com um gajo?

Mas a prova de que o sexismo é traiçoeiro, é que o facto de eu elogiar um gajo bem gingão como boa parelha para a kizomba não é visto como redutor ou ofensivo... hmmm...

É que gingava mesmo bem, o moço...


Mas pronto, como são vocês que conduzem, o meu elogio pode ser entendido como isso mesmo, um elogio... será?

MPR disse...

Pode, uma lésbica pode preferir dançar o kizomba com um gajo (point taken) mas acabas por levantar outro ponto. Não só há diferenças de interpretação num elogio feito a uma mulher se este for feito por alguém do mesmo sexo ou de sexo diferente, como os piropos feitos aos homens raramente têm uma conotação pejorativa. Uma mulher a dizer "O gajo é mesmo bom!" é visto como um elogio e até motivo de orgulho, por parte do gajo. Um homem a dizer "A gaja é mesmo boa!" é visto como uma boca porca, incomodativa e quase ofensiva.
Why is that?

MPR disse...

E era mesmo um elogio? ;)

Manel disse...

Era, era mesmo um elogio. Foi mesmo das melhores kizombas e afins que já dancei. E já dancei umas quantas. :)


E assim à primeira sentir-me-ia tentada a concordar contigo. Mas pensando bem, expressões do género " @ gaj@ é mesmo bom/boa", são social e aparentemente diferentes, mas devo dizer-te que a mim, pessoalmente, me fazem retratos bastante idênticos das pessoas que as proferem, sejam de que género forem. E, logicamente, isto é uma generalização, pois que o tom e o contexto podem mudar tudo.


Vou arrogantemente citar-me a mim mesma: as pessoas são sempre as mesmas, os mundos é que divergem. E o sexismo, em todas as suas matizes, não é estandarte de um género, infelizmente, é traço de toda uma sociedade [uma, ou várias, ou será mesmo só uma?], independentemente dos géneros. Mas socialmente falando, tenho uma explicação relativamente simples para o peso que um piropo rasteiro tem, consoante saia da boca de um homem ou de uma mulher: numa palavra, poder. Poder, com maiúscula. Não vale a pena sequer começar a dissertar sobre o Poder masculino (social, político, etc) vs Poder feminino (historicamente doméstico, salvo honrosas excepções). Nas mentalidades, nem se fala, nos comportamentos então, nem de raspão, ou não saímos daqui [a não ser que passemos a conversa para posts, que com esta letrinha pequenina não se aguenta...]. É de relações de Poder que falamos, no fundo, de um Poder muito forte, muito escuro, muito antigo, muito enraizado. Vai levar ainda algum tempo, parece-me, até que as suas amarras se sintam significantemente menos, pelo menos neste anexozito do quintal da Europa, em que vivemos. Tão especialista no porreirismo. Na negação.


Mas é por isso mesmo que é importante continuar a ter conversas e reflexões como estas, às vezes a partir de uma coisa tão pequena como uma palavra.


Devo dizer-te, a propósito, que já tinha saudades. ;)

MPR disse...

Era interessante um post dissertativo sobre o Poder masculino, podias até fazer uma série de posts, analisando diferentes aspectos do dito, para animar as caixinhas de comentários.

Aqui para nós, também me dá um certo gozo estas conversas... :)

Rodrigues disse...

E a mim dá-me gozo estar aqui a lê-las. :)

afilhado disse...

Faço minhas a palavras da Rodrigues ;) Beijos