quarta-feira, outubro 22, 2008

harvest girl

O outono que é para tantos depressivo, sempre me foi uma época de regeneração, talvez pela marca do trabalho, dos projectos, do mundo que, bem ou mal, volta a mexer. Bem mais do que a primavera, tempo de melancolias e cansaços, de balanços de ganhos e perdas, anúncio mágico de um fim a distância incerta. Sou do outono, tendo embora nascido no pino do verão. Sou do sol e da chuva misturados. Dos inícios sorridos e chorados. Das luas grandes e baixas e amarelas. Do debulhar de tudo o que germinou ao longo do ano para na eira encontrar as sementes, transformar o joio, aproveitar o trigo. Sou das colheitas.


4 comentários:

polegar disse...

e no entanto - intermitentes - no tempo das colheitas somos de semear para depois colher e guardar, que a nossa hibernação é frequentemente estival.

Anónimo disse...

este post 'arrasou', o semeio de palvras, a colheita de vídeo, essa música do neil pela cassandra está uma coisa...
abr
rf

Manel disse...

:) thanks.

bjs

Maria Emília disse...

As colheitas dependem das sementeiras e do cuidado posto na vigilia.
e... então começa-se a saborear os frutos do Outono, antes de mergulhar num Inverno com esperança de Primavera!

Beijos

ME