terça-feira, março 18, 2008

post palmatória (ou o que me irritam as manias dos locutores/apresentadores)

Senhores, pensem comigo e vamos lá ver se conseguimos perceber a fonética da nossa língua, não é assim tão complicada: se é ONU, a tónica está no "u" final; ou então passamos a escrevê-lo como vosselências o lêem - ONO, Organização das Nações Onidas, e assim sim, ler-se-ia Óno, como o nome daquele senhor dos óculos de mosca.

E já agora, estamos em cena, no palco, não em palco, como não estamos em sala ou em quarto; o palco é um lugar físico, concreto, a cena é um conceito abstracto. Vá, repitam comigo (é infindável o poder dos mantras) ónú, ónú, ónú; no palco, no palco, no palco. E escusam de agradecer...

E agora vou desligar o rádio para ir à minha vida. Tenho muito que fazer em rua.

4 comentários:

aroma a amora disse...

Lol... Só tu ;)

Rodrigues disse...

Só ela... e eu, que sou uma chata de primeira apanha. ;)

Tens toda a razão, mô filh' ! :D

Também *gosto* muito duma mania que se generalizou agora nos meios de comunicação e que me deixa furiosa. De repente, apareceu a fobia das elisões e das vogais de ligação. Agora diz-se, por exemplo, "o João telefonou às sete[pausa]horas", em vez de "o João telefonou às set'oras"; ou "um rapaz de onze[pausa]anos", em vez de "um rapaz de onzianos"...
É o novo-riquismo a infectar também a língua - é muito "do povo" fazer elisões; chique, chique é falar como os alemães, separando-muito-bem-as-palavras umas das outras. Irra, que parecem um daqueles avisos das estações de metro e de comboios, em que as palavras são gravadas separadamente para depois se compor o puzzle conforme o que se tiver a anunciar!

Não é triste?

K. disse...

Muito triste... prefiro que digam "um puto de onziános, carago"

:)

Rodrigues disse...

Ou isso, ou isso! :D