quinta-feira, novembro 02, 2006

Little big movie



Argumento brilhante. Diálogos [e silêncios] perfeitos. Elenco irrepreensível. Sensibilidade, mestria, humor, tragédia, quotidiano. "Everybody, just pretend to be normal!". Mas nada aqui poderia ser mais absurdamente normal.



Tenho um fraco especial por filmes que assim transformam os aparentes vencidos de uma sociedade derrotada em fabulosas figuras de subversão e desarranjo do pesadelo. Este é um dos filmes para a minha vida. Riso, choro, consternação, reflexão [de pensamento e de reflexo literal], asco, simpatia, desconforto, alegria. Lições de cinema, umas atrás das outras. Mais uma oportunidade para ver essa actriz maravilhosa que é Toni Colette. E mais um verdadeiro ensaio estético sobre as variáveis possíveis na distribuição de seis pessoas e uma pão-de-forma amarela num plano de cinema. Um petisco, senhores, um cálice de ambrósia destilado a partir dos mais puros hambúrgueres de carne de minhoca.

5 comentários:

pedro efe disse...

Oh, caramba!!! e aqui a ovelha ranhosa ainda não viu. já diz o ditado: em casa de ferreiro... :|
[ver-te assim deslumbrada pesa-me ainda mais na consciência... lol]

Manel disse...

A mim pesa-me não ter podido aproveitar mais uma oferta tua... ;) mexe-te, homem, que este é daqueles a não deixar escapar. Mesmo!

Rodrigues disse...

Ainda não fui ver (e tempo?)... mas já ando há uns tempos a desconfiar que vai ser também "um dos filmes para a minha vida"...

patas disse...

bem, obrigado manel.

tinha-me passado completamente ao lado se não fosse o teu post. Acabei de sair do cinema com o coração a luzir.

está magistral, com os momentos de drama a serem descomprimidos com sorrisos cumplices e algumas gargalhadas valentes. é tão ambicioso e ao mesmo tempo tão despretensioso.

não sei se vai ser um dos filmes da minha vida, mas assim de repente nem me consigo lembrar da ultima vez que um filme me deixou sair do cinema assim.

obrigado, patas

Manel disse...

:) Já ganhei o dia.