quarta-feira, julho 26, 2006

Palavras - palmas da mão

Porque, bem vê, só quando estamos esgotados (de ternura ou de qualquer outra força) reconhecemos a nossa inesgotabilidade. Quanto mais dermos mais nos sobra, desde que prodigalizemos - é uma coisa sempre a brotar! Sangremo-nos - e seremos fonte viva."

Marina Tsvietaieva, in Noites Florentinas, Oitava carta

3 comentários:

Bixu disse...

Está tudo dito! Saudades de vós e voz! Beijos

katraponga disse...

Como entendo estas palavras... beijo, Manelito.

Manel disse...

Ó Bixu lindo, tenho muitas saudades tuas. Mesmo. Beijo.